A região exporta 30% da produção para a Europa

Valinhos esteve representada no fórum para avaliação do pós-colheita de figos frescos, realizado pelo Ministério da Agricultura, nos dias nos dias 24 e 25 de agosto, no ITAL (Instituto de Tecnologia de Alimentos), em Campinas. O objetivo principal da reunião foi promover estudos para adequar a produção do figo de mesa para a exportação, principalmente para a comunidade europeia.

Novas normas da Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa (UNECE) exigem figos isentos de matérias estranhas (‘limpos’ ou ‘sem pó’), impedindo a tradicional utilização de ‘calda bordalesa’ pelos produtores da região para o controle de pragas. Um grupo de trabalho foi formado para elaborar estudos de alternativas a essa prática.

Valinhos e região exportam para a Europa 30% da produção e, para que esse percentual possa ser evoluído, os produtores precisam cada vez mais buscar alternativas para cumprir as normas exigidas. Valinhos produz 3 milhões de caixas de figo, sendo que 1 milhão é exportado para o mercado europeu.

A ‘capital do figo roxo’ esteve presente por meio do presidente da Associação Agrícola de Valinhos e Região, Pedro Sidnei Pellegrini, que também representou o Departamento de Agricultura da Prefeitura de Valinhos. “Esse tipo de reunião é muito importante para maior integração entre os produtores, exportadores e pesquisadores”, avaliou Pellegrini.

Fizeram parte dos debates André Bispo, representante do Ministério da Agricultura; Carlos Roberto Martins, pesquisador da Embrapa; Moacir Saraiva, presidente do Ibraf (Instituto Brasileiro de Frutas); José M. Sighrist, pesquisador Científico do ITAL; e Pedro Sidnei Pellegrini representante da Associação Agrícola de Valinhos e Região e o Departamento de Apoio a Agricultura de Valinhos. Ao todo 30 fruticultores da região estiveram presentes no fórum.

FONTE: PMV