Com a reforma no prédio da Casa da Criança e do Adolescente de Valinhos, muitas lagartas do coqueiro que existe no local, começaram a cair no quintal. A pedagoga Débora Alcântara Dantas observando a curiosidade das crianças, buscou informações de como poderiam resgatar as lagartas.

Uma caixa de papelão foi transformada num berçário e lá foram colocadas casca e folhas de coqueiro, terra úmida. Cobriram com tecido fino e passaram a observar a transformação.

As crianças acompanham ansiosas a metamorfose das lagartas e observando cada detalhe:” – nossa!! a cabeça da lagarta caiu”, ” – ela não se mexe mais será que morreu?”
” – onde foi parar a lagarta que a gente colocou aqui ontem?”

Todos os dias o Wallace traz lagartas que caem do coqueiro e ficam entre o cimento e o concreto da construção, para habitarem o berçário. Foram resgatadas aproximadamente cinquenta lagartas.

Como disse a flor ao Pequeno Príncipe, “É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas.” (Antoine de Saint-Exupéry).

“E é isso que está acontecendo aqui no Janela Aberta. Além de preservar as lagartas, estamos aprendendo a ser mais pacientes, percebendo que tudo acontece em seu tempo; conviver e a dividir nosso espaço com criaturas, que antes nos amedrontavam; fazer a diferença no meio ambiente e conhecer melhor o mundo que nos cerca”, destaca a pedagoga.

As borboletas na cor preta e laranja estão saindo de seu casulo e batendo as asase sendo libertadas na pracinha do bairro, entre as flores, pequenos coqueiros e outras borboletas.

FONTE: AR2